papel que não dobrei #10

Mel vem a boca de canudinho
Gota a gota
Me fita com olhos âmbar
Sugando a minha alma

Posta sobre meu ventre
Suas linhas curvas
São retilíneo arpão
Fisgam fundo meu estômago
E o rasgo expele purulento
Seus versos amargos
Impostora

Anúncios
papel que não dobrei #10

aspecto #9

É a sua figura
Que vaza
Nas arestas do espelho

Sua figura
Que ora aparenta
Minuto esvai

É a sua figura
Que turva
Lavra, rega a paixão

Ela, sua figura
Nua, escorada
Entre a tinta e o papel

Sua posição revela
Na ordem dessas
e de suas palavras
Sua figura
Bem definida
Linguagem

aspecto #9

ensaio sobre a mel #8

Ela não me visitou
Nos últimos dias
Não veio ao meu quarto
Pessoalmente
Até arrumei a cama

Meus olhos pelos cantos
Pelados de teias
Piscam, e me arrepio até
Extremidades

Me observa pela janela?
Ela não prometeu ficar
Ela não prometeu partir
Onde então, vamos parar?

ensaio sobre a mel #8

DiaGNóSTICO #7

Funcional
Ela me definiu como funcional, doutor
Nem calmo,
Nem apaixonado,
Nem bagacento, nem formidável
Nem neutro
Funcional, ela disse

Um cinza circular
Girando monotonamente
Constante, estático
Calculável, metrificado
Fossilizado, rotineiro
Me senti um pixel
Morto na tela do computador
Não se mexe, nem atrapalha
Passa por papel de parede
Nem parece falha

Fez rabísco rápido,
De caneta
E o laudo consta:
“Funciona bem”

DiaGNóSTICO #7

mono diálogos

Mel é você do outro lado?
Sua voz está amarga
Achei uma nova cicatriz
Desde que brigamos
Há seis ou sete
Anos escuros
Entre a parede
Fiquei
Entre o travesseiro
Inconsciente
Da sua companhia

Mel é você do outro lado?
Sua voz está Agridoce
E escorre pegajosa
Nas minhas pernas
Incansáveis atravessando
O tempo
Um pântano
Melado
E corro mergulhado
Da sua companhia

Mel é você do outro lado?
O vidro está embaçado
Sua voz está doce
De ecos imprecisos
Entram pelos tímpanos
Engolidos a seco
Se dissolvendo
Se quicando
Nas entranhas
E me questiono
Inerte
Da sua companhia

Mel é você do outro lado?
Me repito me revejo
De pijama pelo avesso
Me rebobinando
Com um lápis mordido
Voltando a fita
Bem sozinho
Assistindo o tempo
Ruminando
Desde quando
Estou mastigando?

mono diálogos

ENSAIO SOBRE A MEL #4

A mel me acordou hoje
Não levantei
Sem mim o mundo seguiu

Um pássaro cantou hoje
Não escutei
Sem mim o mundo seguiu

O chefe ligou hoje
Não trabalhei
Sem mim o mundo seguiu

Kenny está triste hoje
Não percebi
Sem mim o mundo seguiu

Sem mim, mundo segue
Segue sem mim, mundo

ENSAIO SOBRE A MEL #4